Visite também:

 

UM TRIÂNGULO AMOROSO (1974) – o professor Girafales quer se
declarar à Dona Florinda, mas sente que lhe falta experiência. Então,
ele pede a Seu Madruga que lhe ajude a encontrar as palavras
certas. Tudo parecia ir bem, até que Chaves e Quico interpretam
erroneamente a presença do professor na casa de Seu Madruga. Este
episódio sumiu em 2000 e possui uma versão mais atual no ar, porém,
algo torna completamente deferentes as duas versões: o final.

UMA GATA NO RESTAURANTE (1979) – este episódio faz parte da
última temporada da série em sua era clássica. Se passa no restaurante
de Dona Florinda. Chaves e Chiquinha querem alimentar uns gatinhos,
que são filhotes da gata que Dona Florinda ganhou do professor Girafales.
Embora bastante diferente, o SBT considerou este, como sendo episódio
semelhante ao clássico “Seu Madruga leiteiro” que está no ar até hoje.

 

A PROPOSTA (1974) – como a maioria dos episódios de 1974, este
também é perdido. Nele, as crianças da vila brincam de Grito de
Independência. Mas o “7 de setembro” acaba sobrando pra todo mundo,
principalmente para o pobre do Seu Madruga, que demonstra mais que
nunca ser filho da experiência. Esta hilariante história, culmina com uma
proposta de casamento feita por Dona Clotilde a Seu Madruga. O episódio
possui uma versão mais recente, dividida em dois episódios que está no ar
até hoje.

 

PINTANDO O SETE (1973) – primeiríssima versão do episódio realizado
mais tarde em duas partes “Ser pintor é uma questão de talento / Pintando
o sete”, tornou-se perdido em 1992. Seu Madruga está tentando pintar as
cadeiras de sua casa, mas não consegue trabalhar em paz, com Quico,
Chaves, Chiquinha e Dona Florinda por perto. Um verdadeiro clássico
nostálgico do primeiro ano de Chaves como série independente.

O DINHEIRO PERDIDO (1972) – um dos sketch’s mais antigos da série.
Rodado em 1972, faz parte da clássica série Chespirito e se tornou perdido
no Brasil há quase vinte anos. Em seu lugar, entrou a versão mais recente
do episódio com a duração padrão de meia hora (somando os intervalos).
Seu Madruga é despejado de sua casa por não pagar o aluguel, mas ele
garante ao Senhor Barriga que já tem o dinheiro. O problema agora é
achá-lo no meio de tanta bagunça.

 

OVOS PODRES E MOSCAS (1977) – excelente episódio de Chapolin
que desapareceu em 2003. Um ladrão de comida age na residência de um
casal provocando inclusive brigas entre eles, pois o marido acha que a
esposa está escondendo a comida ou comendo-a sem repartir com ele.

 

O MENDIGO LADRÃO (1972) – clássico sketch da fase do bom e velho
programa Chespirito. Ramon Valdes interpreta um pedinte, que na verdade
é um ladrão. Ele rouba inclusive a bolsa de uma velhinha que também pedia
esmolas na localidade. Chespirito interpreta um transeunte a quem a velhinha
pede ajuda para tentar recuperar sua bolsa.

 

O PIC-NIC VOADOR (1972) – um dos sketch’s mais antigos de
Chespirito. Um simples pic-nic entre amigos, torna-se sinistro, quando
eles começam a avistar algo que segundo eles, é um disco-voador.
Chespirito se aproveita do fato para roubar os sanduíches dos amigos.
Nunca exibido no Brasil, o sketch foi descoberto através do canal pago
TLN Networks.

 

O BOXEADOR (1972) – um dos sketch’s mais antigos do Doutor Chapatin
que se tem notícia. Um boxeador completamente machucado, vai parar em
seu consultório. O que o doutor não esperava é que depois, teria que atender
um caso ainda pior. Assista e confira.

 

A FALTA D’ÁGUA (1974) – este episódio está fora do ar desde 2000.
É um caso curioso, pois durante anos, o SBT exibiu este episódio como
se fosse o início da outra versão do mesmo. Ou seja, exibiam: “A falta
d’água, versão 1” e no dia seguinte “A falta d’água, parte 2, versão 2”.
Em 2000, o erro foi corrigido, tendo a emissora passado a exibir a parte
1 da versão 2 juntamente com a parte 2 e esta primeira versão tornou-se
perdida. No episódio, falta água em toda a vila. O que ninguém sabe, é
que a raiz do problema está no fato de Chaves e Quico terem quebrado
o encanamento. O episódio culmina com uma guerra de água. Hilário!

Páginas 1, 2, 3